R. Andréa Paulinetti, 274 - São Paulo-SP 11 5183-5187 11 5183-5096 11 983975531



ESPIRITUALIDADE, NO TRABALHO?

Gostou? compartilhe!

Veja nossos artigos

ESPIRITUALIDADE, NO TRABALHO?

Vitor Morgensztern (*)

Espiritualidade nos negocios? La vem voce com essa conversa fiada Isto aqui e umaE-M-P-R-E-S-A, viu! Nao estamos aqui para fazer beneficencia.

Voce ja ouviu observacoes semelhantes? Eu tambem! Como consultor organizacional acho muito naturais reacoes como estas. Mas acredito que posso ampliar essa visao. Como alguns vocabulos sempre aparecem nessas conversas e importante os precisarmos melhor pois e muito comum, ao se falar de espiritualidade, o interlocutor pensar em religiosidade.

Espiritualidadee a qualidade de espiritual. Posso ver esse espiritual como tudo o que nao e material ou como o encontro pessoal com a divindade (energia ou forca criadora), enfim, com aquilo que transcende a materialidade do homem. Podemos dizer que a espiritualidade e algo que surge de dentro para fora do individuo. No meio empresarial e tomar decisoes de negocios com outros criterios que nao so os racionais, logicos, objetivos, economicos, financeiros e tecnicos. Francisco Varela quando fala em reino espiritual diz espiritual porque tem a ver com os coracoes humanos. Assim, espiritualidade nos negocios tem a ver com o coracao humano nos negocios.

Religiosidadee a qualidade de religioso, e a disposicao para a religiao. E a repeticao do caminho para voltar a ter o encontro com o divino, atraves de oracoes, ritos, dancas sagradas, etc. Quando esse caminho e formatado com dogmas, leis, escritos, mandamentos, doutrinas, rituais proprios, preceitos eticos, estrutura para a formacao de religiosos, controle da qualidade dessa formacao, e se cristaliza numa identidade com conteudo intelectual, ai temos umareligiao. As grandes religioes do mundo estabeleceram as normas do comportamento etico. Temos como exemplo, os Dez Mandamentos. A religiao e algo que vem de fora para dentro do individuo.

A Humanidade (ou seja, nos!) esta numa encruzilhada: ou acha um novo caminho ou mergulha definitivamente num estado de tecnizacao, de desumanizacao, de caos moral, de completa automatizacao despersonalizada. (Voce ja recebeu um email do colega que senta na mesa do lado?)

Devemos tomar o destino em nossas maos, livres, conscientes, mas tendo como ideal uma nova imagem do Homem. Isso implica numa espiritualizacao lenta do nosso mundo, por nos mesmos. Implica em ver sentido no que fazemos profissionalmente. Em podermos exercitar solidariedade, compaixao, altruismo, respeito pelo pequeno e pelo diferente de nos, cidadania, responsabilidade social!

Temos que desenvolver a nossa consciencia; dominar a Terra (o material)eespiritualizar-nos ao mesmo tempo. Mas o que tem ocorrido e que o homem esta cada vez mais unilateral e sem a consciencia desse processo. Ele, ou inconscientemente despreza a Terra e so valoriza o espiritual, ou nega o espiritual, achando que tudo se explicara e resolvera com a Ciencia, a matematica e o racional.

Mario Kamenetzky, da World Business Academy, numa palestra, contou a historia de um jovem engenheiro, assessor de um presidente de um conglomerado alimenticio. Querendo contribuir com o negocio, apos fazer um minucioso estudo, o jovem apresentou ao presidente um plano de centralizacao de 10 unidades de processamento espalhadas em pequenas cidades, com o fechamento das outras 9 e dispensa de seus funcionarios. Apos digerir o estudo, com todos os calculos de retornos financeiros, que faziam grande sentido, o presidente olhou o jovem e disse: Engenheiro! E o aspecto humano, onde esta? Este presidente estava trazendo a espiritualidade para os negocios.

Vivemos um paradoxo muito estranho: de um lado falamos em forcas produtivas da economia e vemos uma explosao da produtividade. E de outro, quando vemos os efeitos dessa produtividade (como desemprego, influencia na cultura de paises subdesenvolvidos, cultura do consumismo, efeitos na Natureza e ecologia) podemos falar em forcas destrutivas da vida economica. Cada vez mais, palestrantes e articulistas do mundo todo, alertam para a logica suicida do nosso modelo economico. Para trazer um pouco de humor (negro), lembro-me de ter ouvido que as fabricas do futuro terao dois seres vivos: um homem e um cachorro. E o homem e para alimentar o cachorro

No limite, quando tivermos produtividade infinita teremos o mercado de consumo com poder de aquisicao zero, porque estarao todos desempregados. E, ai

Com as revolucoes tecnologicas e a globalizacao,estamos vivenciando o chamado para que a vida economica assuma o bastao das grandes transformacoes da sociedade. So que, com esse bastao, vem junto a necessidade da responsabilidade ou, em outras palavras, da consciencia. Estamos, portanto, no comeco de uma nova era. Uma era de mudancas para novos paradigmas. Um processo em que ja temos novas responsabilidades, mas para as quais ainda nao desenvolvemos e consolidamos totalmente novos criterios (ou paradigmas, ou valores) e no qual nao poderemos ser espectadores. Na vida economica, em cada decisao que tomamos, somos os atores principais.

Rudolf Steiner, fundador da Antroposofia, pensou num reposicionamento saneador dos velhos ideais da Revolucao Francesa (sem contudo visualizar essa reflexao como uma ideologia a ser imposta ao Mundo): Liberdade no Espirito, Igualdade perante o Direito e Fraternidade na Economia. Em outras palavras, a Economia nao precisa ser um campo de guerra (ou concorrencia mortal). Ela pode ser um campo de exercicio de fraternidade, ou de cooperacao, em que o empreendedor e os executivos poem seus talentos a servico do bem estar e das necessidades da comunidade. Mas com um profundo sentimento de solidariedade e responsabilidade pelo todo.

Steiner, foi um incansavel empreendedor, e certa vez, mencionou que alguns iniciados que atuavam na vida espiritual na antiguidade, hoje se encarnam como empresarios, na vida economica. Esse fato e muito inspirador e e com ele que quero terminar este artigo. Os empresarios e empreendedores de forma natural possuem imaginacao, coragem e determinacao para reunir recursos materiais e transforma-los a fim de atender ao mercado. Mas aqueles que, alem disso, trabalharem para expandir sua consciencia e trouxerem a espiritualidade para o dia-a-dia de seus negocios, poderao se transformar nos iniciados do seculo XXI!

(*) Vitor Morgenszterne Consultor e Diretor da Dossier. E autor do Livro Administracao Antroposofica e Co-autor do Manual de Gestao de Pessoas e Equipes Editora Gente



Gostou? compartilhe!

Whatsapp Boog Whatsapp Boog