+55 (11) 5183-5187 / 5183-5096

contato@boog.com.br

ENTREVISTA COM GUSTAVO G. BOOG
“AUTODESENVOLVIMENTO”

 Entrevista concedida por Gustavo Boog à Elaine Borges,

para o portal do Superior Tribunal de Justiça de Brasília

Como e até que ponto uma organização influencia e é influenciada pelo nível de desenvolvimento das pessoas?

Uma parede é tão boa quanto forem seus tijolos. Uma organização é tão boa quanto forem as pessoas que nela trabalham.  O conceito de “boa pessoa” significa domínio de competências necessárias para um excelente desempenho de seus papéis. É a combinação de conhecimentos, experiências, habilidades, motivação, senso de responsabilidade, sentido de finalização, entusiasmo pela missão da organização. É claro que a organização também influencia o nível de desenvolvimento das pessoas, principalmente com a atuação positiva das lideranças e das políticas de gestão de pessoas e equipes.

 

Quem é responsável pelo desenvolvimento profissional do indivíduo?

Cada um de nós é o responsável primeiro e principal pelo seu desenvolvimento profissional, pela sua carreira, pelo seu futuro. Se eu não cuidar de meu futuro profissional, quem fará isso? E essa é uma responsabilidade pessoal que não pode ser delegada a ninguém.  Uma visão ultrapassada coloca que essa responsabilidade é apenas da organização. Nesse caso, se ela não investe em treinamento, eu me torno uma vítima do sistema, o que é uma visão derrotista. Criando uma metáfora, diríamos que queremos ter um belo jardim. Cabe ao jardineiro (organização) criar boas condições da terra, dos adubos, da irrigação, mas cabe a cada planta (pessoa) aproveitar essas condições e desenvolver-se.

 

Quais as conseqüências pessoais e organizacionais de um profissional se desenvolver ou não?

Vivemos numa época de intensas mudanças, em que os usuários das organizações demandam cada vez mais competência dos prestadores de serviços, dos órgão regulamentadores. Os cidadãos pagam impostos e querem uma justa contrapartida em termos de eficiência jurídica, legislativa e executiva. Um profissional que não se desenvolve acaba se tornando um peso morto dentro do sistema. Tenho uma profunda convicção de que em cada pessoa existe um sensível indicador do equilíbrio entre o “dar” e o “receber”. Quando isso é tocado, as chances de cada um retomar seu processo de desenvolvimento são grandes.

 

Como o desenvolvimento das pessoas é percebido nos resultados da instituição?

Os investimentos em aprendizagem são os que mais altos retornos econômicos trazem. Portanto, investir em pessoas, oferecer a elas oportunidades de crescimento e desenvolvimento, é alta sabedoria organizacional. Além das melhorias imediatas nas competências, o clima motivacional melhora muito. E tudo isso gera melhorias nos resultados da organização, com reflexos imediatos nos usuários e na coletividade como um todo. O exemplo das melhores organizações para se trabalhar ilustra muito bem isso.

 

Qual é a relação entre o desenvolvimento pessoal e o profissional?

Esses são dois aspectos intimamente relacionados: não creio que possa haver um desenvolvimento profissional que se sustente sem que haja um correspondente desenvolvimento pessoal, e vice-versa. São dois lados de uma mesma moeda.

 

Que aspectos influenciam o sucesso ou fracasso no desenvolvimento profissional?

O desenvolvimento é um caminho que como todo caminho tem suas adversidades, suas pedras, seus obstáculos. Tem também seus prêmios. Creio que o que mais influencia o sucesso do desenvolvimento é ter:

•    uma visão clara do que se deseja alcançar, tanto num prazo mais longo como para os próximos dois anos
•    saber quais conhecimentos e experiências que são necessários, ou seja, o “como” alcançar a visão de futuro
•    investir para adquirir esses conhecimentos e experiências: ter a disposição de abrir mão de algumas coisas imediatas para poder construir um futuro melhor
•    ter a motivação interior, a dedicação e a persistência necessárias
•    ter a coragem e a força de superar os obstáculos que surgirão
•    a presença e apoio de um líder estimulador, que pode ser o próprio chefe, um colega ou uma pessoa que se disponha a ser nosso guia pelos caminhos do desenvolvimento

A ausência ou enfraquecimento desses fatores prejudica o desenvolvimento. Mas, esse é um processo que pode ser retomado a qualquer momento.

 

Apesar de o profissional investir em sua carreira e seu desenvolvimento, sempre está sujeito a viver sucessos e fracassos. Como administrá-los?

No jardim de nossa metáfora podem ocorrer inundações, longos períodos sem chuva, granizo, ventos fortes, ou outros    fatores fora de nosso controle. Nossa carreira tem muitos fatores sob controle, mas muitos não dependem de nós. Assim é a vida! Para não se deixar engrandecer exageradamente pelos sucessos ou se abater com os fracassos, creio que só há uma saída: acreditar na vida, e como diz o samba: levanta, sacode a poeira, dá a volta por cima.

Ver Todos os Artigos

SOLICITE ATENDIMENTO


captcha